Hora do Evangelho no Lar – Capítulo IV – itens 21 a 23 – Laços de Família… Parte 2 – 25/9/2017.

HORA DO EVANGELHO NO LAR – Os Laços de Família são fortalecidos pela Reencarnação e Rompidos pela Unicidade da Existência – CAP. IV – ITENS 18 a 20 – 1ª PARTE – 18/9/2017
18/09/2017
HORA DO EVANGELHO NO LAR – CAP. IV – ITEM 24 -INSTRUÇÕES DOS ESPÍRITOS: I – LIMITES DA ENCARNAÇÃO – 02/10/2017
02/10/2017

Hora do Evangelho no Lar – Capítulo IV – itens 21 a 23 – Laços de Família… Parte 2 – 25/9/2017.

hora-do-evangelho-260916_1“Os laços de família não sofrem destruição alguma com a reencarnação, como o pensam certas pessoas. Ao contrário, tornam-se mais fortalecidos e apertados.” — (ESE – Cap. IV, 18)

PRECE

Queridos irmãos, que a Paz de Jesus nos envolva e nos ampare neste nosso encontro de corações. Vamos orar:

Mestre Jesus que conheceis todas as nossas imperfeições, que nos ama profundamente, auxiliai-nos a compreender as leis divinas.

Faz-nos entender Teu Evangelho de Luz, ensina-nos a aplicá-lo em nossas vidas, afim de que sejamos cada dia melhores do que fomos ontem.

Auxilia-nos Mestre a reconhecermos e corrigirmos nossas falhas, nossas imperfeições.

Dai-nos força e coragem para sermos humildes e mostrai-nos o caminho da iniciativa para solucionarmos nossas dificuldades; os o caminho da persistência, para evitarmos o desânimo; o da caridade, para evitarmos o egoísmo e podermos dividir os benefícios que recebemos todos os dias.

Auxilia-nos Senhor, a sermos merecedores do Teu Amor e seja sempre, Mestre Amado, a nossa fonte de inspiração.

Que assim seja.

Graças a Deus. Graças a Jesus.

MENSAGEM INICIAL

Instituto de tratamento 

Atingindo o Plano Espiritual, depois da morte, sentimentos indefiníveis nos senhoreiam o coração.

Nos recessos do espírito, rebentam mágoas e júbilos, poemas de ventura e gritos de aflição, cânticos de louvor pontilhados de fel e brados de esperanças que se calam, de súbito, no gelo do sofrimento…

Rimos e choramos, livres e presos, triunfantes e derrotados, felizes e desditosos…

Bênçãos de alegria, que nos clareiam pequeninas vitórias alcançadas, desaparecem, de pronto, no fundo tenebroso das quedas que nos marcaram a vida.

Suspiramos pela ascensão sublime, sedentos de comunhão com as entidades heroicas que nos induzem aos galardões fulgentes dos cimos, todavia, trazemos o desencanto das aves cativas e mutiladas.

Ao invés de asas, carregamos grilhões, na penosa condição de almas doentes…

Na concha da saudade, ouvimos as melodias que irrompem das vanguardas de luz, entretecidas na glória dos bem-aventurados, no entanto, austeras admoestações nos chegam da Terra pelo sem-fio da consciência…

Nas faixas do mundo somos requisitados pelas obrigações não cumpridas.

Erros e deserções clamam, dentro de nós, pedindo reparos justos…

Longe das Esferas superiores que ainda não merecemos e distanciados das regiões positivamente inferiores em que nossas modestas aquisições evolutivas encontraram início, concede-nos, então, a Providência Divina, o refúgio do lar, entre as sombras da Terra e as rutilâncias do Céu, por instituto de tratamento, em que se nos efetive a necessária restauração.

É assim que reencarnados em nova armadura física, reencontramos perseguidores e adversários, credores e cúmplices do pretérito, na forma de parentes e companheiros para o resgate de velhas contas.

Nesse cadinho esfervilhante de responsabilidades e inquietações, afetos renovados nos chamam ao reconforto, enquanto que aversões redivivas nos pedem esquecimentos…

À vista disso, no mundo, por mais atormentado nos seja o ninho familiar, abracemos nele a escola bendita do reajuste, onde temporariamente exercemos o ofício da redenção.

Conquanto crucificados em suplícios anônimos, atados a postes de sacrifício ou semi-asfixiados no pranto desconhecido das grandes humilhações, saibamos sustentar-lhe a estrutura moral, entendendo e servindo, mesmo à custa de lágrimas, porque é no lar, esteja ele dependurado na crista de arranha-céus, ou na choça tosca de zinco, que as leis da vida nos oferecem as ferramentas de amor e da dor para a construção e reconstrução do próprio destino, entregando-nos de berço em berço, ao carinho de Deus que verte inefável pelo colo das mães.

Emmanuel/Chico Xavier –  Livro da Esperança.

LEITURA DO EVANGELHO
Capítulo 4 – NINGUÉM PODE VER O REINO DE DEUS SE NÃO NASCER DE NOVO

hora-do-evangelho-260916_2Os Laços de Família são Fortalecidos pela Reencarnação e Rompidos pela Unicidade da Existência

18 – Os laços de família não são destruídos pela reencarnação, como pensam certas pessoas. Pelo contrário, são fortalecidos e reapertados. O princípio oposto é que os destrói.

Os Espíritos formam, no espaço, grupos ou famílias, unidos pela afeição, pela simpatia e a semelhança de inclinações. Esses Espíritos, felizes de estarem juntos, procuram-se. A encarnação só os separa momentaneamente, pois que, uma vez retornando a erraticidade, eles se reencontram, como amigos na volta de uma viagem. Muitas vezes eles seguem juntos na encarnação, reunindo-se numa mesma família ou num mesmo círculo, e trabalham juntos para o seu progresso comum. Se uns estão encarnados e outros não, continuarão unidos pelo pensamento. Os que estão livres velam pelos que estão cativos, os mais adiantados procurando fazer progredir os retardatários. Após cada existência terão dado mais um passo na senda da perfeição.

Cada vez menos apegados à matéria, seu afeto é mais vivo, por isso mesmo que mais purificado, não perturbado pelo egoísmo nem obscurecido pelas paixões. Assim, eles poderiam percorrer um número ilimitado de existências corporais, sem que nenhum acidente perturbe sua afeição comum.

Estenda-se bem que se trata aqui da verdadeira afeição espiritual, de alma para alma, a única que sobrevive à destruição do corpo, pois os seres que se unem na Terra apenas pelos sentidos, não têm nenhum motivo para se preocuparem no mundo dos Espíritos. Só são duráveis as afeições espirituais. As afeições carnais extinguem-se com a causa que as provocou; ora, essa causa deixa de existir no mundo dos Espíritos, enquanto a alma sempre existe. Quanto às pessoas que se unem somente por interesse, nada são realmente uma para outra: a morte as separa na Terra e no Céu.

19 – A união e a afeição entre parentes indicam a simpatia anterior que as aproximou. Por isso, diz-se de uma pessoa cujo caráter, cujos gostos e inclinações nada têm de comum com os dos parentes, que ela não pertence à família. Dizendo isso, enuncia-se uma verdade maior do que se pensa. Deus permite essas encarnações de Espíritos antipáticos ou estranhos nas famílias, com a dupla finalidade de servirem de provas para uns e de meio de progresso para outros. Os maus, se melhoram pouco a pouco, ao contato dos bons e pelas atenções que deles recebem, seu caráter se abranda, seus costumes se depuram, as antipatias desaparecem. É assim que se produz a fusão das diversas categorias de Espíritos, como se faz na Terra entre a raças e os povos.

20 – O medo do aumento indefinido da parentela, em consequência da reencarnação, é um medo egoísta, provando que não se possui uma capacidade de amor suficientemente ampla, para abranger um grande número de pessoas. Um pai que tem numerosos filhos, por acaso os amaria menos do que se tivesse apenas um? Mas que os egoístas se tranquilizem, pois esse medo não tem fundamento. Do fato de ter um homem dez encarnações, não se segue que tenha de encontrar no mundo dos Espíritos dez mães, dez esposas e um número proporcional de filhos e de novos parentes. Ele sempre encontrará os mesmos que foram objetos de sua afeição, que lhe estiveram ligados na Terra por diversas maneiras, e talvez pelas mesmas maneiras.

REFLEXÕES: Leon Denis nos diz que: “A doutrina das reencarnações aproxima os seres humanos, mais do que qualquer outra crença, ensinando-lhes a solidariedade que os liga a todos no passado, no presente e no futuro. Não há deserdados e nem favorecidos, que cada um é filho de suas obras, senhor de seu destino.”

Na questão 205 do Livro dos Espíritos lemos a pergunta de Kardec: Segundo certas pessoas, a doutrina de reencarnação parece destruir os laços de família, fazendo-os remontar as existências anteriores? Resposta do Espírito de Verdade: – A reencarnação amplia os laços de família, em vez de destruí-los. Baseando-se o parentesco em afeições anteriores, os laços que unem os membros de uma mesma família, são menos precários. A reencarnação amplia os deveres de fraternidade, pois no vosso vizinho ou no vosso criado, pode encontrar-se um Espírito que foi do vosso sangue. Para complementar o estudo, ver Livro dos Espíritos questão 171 e Cap. 4 – Pluralidade das Existências – VII – Parentesco e Filiação.

PRECE E VIBRAÇÕES – 

hora-do-evangelho-260916_3“Coloca o teu recipiente de água cristalina à frente de tuas orações e espera e confia.” [Emmanuel / Chico Xavier]

Com nossos pensamentos e sentimentos harmonizados vamos nos elevando até Nosso Pai, pedindo proteção e amparo ao nosso propósito de servir; a Jesus pedimos que nos ajude sempre a auxiliarmos e sermos auxiliados, a compreendermos mais e sermos compreendidos, a amarmos mais e sermos amados.

E assim rogamos pela Paz Mundial, pela harmonia entre os povos, pelo nosso Brasil e nossos governantes, por todas as religiões.

Rogamos por todos os espíritos com tarefas Evangélicas, divulgadores do Teu Evangelho, Mestre Jesus.

Rogamos especialmente por nossa Casa Espírita, que acolhe e reconforta a todos indistintamente, por todos os trabalhadores e voluntários e, por todos os assistidos.

Vamos vibramos por todos os que se encontram enfermos da alma ou do corpo físico, para que recebam o bálsamo para suas dores.

Vibramos, com carinho e amor, por todos aqueles que neste momento estão em sofrimento, sejam eles, encarnados e desencarnados, pelos desempregados, pelos que estão em solidão, pelos que sofrem de depressão, pelos idosos, por aqueles que vivem pelas ruas, para que todos sejam amparados em suas necessidades.

Vibramos, respeitosamente, por nossos irmãos suicidas, para que sejam acolhidos e esclarecidos.

Vibramos pelas crianças e por todos os jovens, para que sejam sempre conduzidos pelos caminhos do bem.

Senhor, que a proteção divina se estenda sobre todos os lares, ao nosso também, para que neles reine sempre o amor e o respeito.

Que nossos amigos e, principalmente, aqueles a quem não cultivamos afeição, sejam abençoados, somos todos irmãos, filhos do mesmo pai, que o amor fraterno se estabeleça definitivamente em nossos corações.

E assim Mestre Jesus, agradecemos por todas as bênçãos e ensinamentos de hoje, que possamos Mestre, entendermos a benção da reencarnação e amarmos sempre mais aqueles que caminham conosco, sejam eles nossos familiares consanguíneos ou que estejam próximos a nós através dos laços do coração.

Senhor, que os Benfeitores Espirituais possam fluidificar nossas águas, depositando nelas as energias necessárias para nosso equilíbrio físico, espiritual e mental e que, as vibrações amorosas que nos envolvem agora se estendam a todos os nossos queridos e permaneçam conosco.

Que assim seja.

Graças a Deus! Graças a Jesus.

A todos, uma semana abençoada.

Paz e Luz.

Deixe uma resposta